De dente quebrado a herpes: saiba o que fazer na emergência

Segundo Sibele Sarti Penha, professora membro do Setor de Urgência Odontológica da Faculdade de Odontologia da USP (FOUSP), qualquer situação atípica na boca deve ser analisada e tratada por um especialista, porém, existem alguns truques que podem ser feitos de imediato para aliviar dores ou prevenir e remediar acidentes.

Dente quebrado por choque

Quando se quebra apenas uma parte do dente o ideal é colocar o fragmento imerso em soro fisiológico, leite ou (em último caso) água filtrada e procurar um dentista. Se por um acaso o dente sair por inteiro (com raiz e tudo) o tempo será determinante para que o problema seja resolvido. Neste caso, o dente deve ser imerso nos mesmo líquidos do exemplo acima e o dentista deve ser procurado imediatamente pois dentro do prazo de uma hora o re-implante tem mais chances de ter sucesso. Ou seja, quanto mais tempo demorar, menos chances de recuperá-lo.

Mordida na língua ou no lábio

A boca tem muitos vasos sanguíneos e é por isso que muitas vezes a mordida na língua ou no lábio causa sangramento. Nesse caso, convém manter uma gaze ou algodão pressionado com força na região por 10 minutos. Evitar cuspir é importante para não movimentar a região. É recomendável alimentos frios e pastosos para os dias seguintes e uma escovação de dente bem reforçada para evitar eventuais contaminações da região.

Herpes decorrentes

Existem alguns fatores que podem Parajumpers Long Bear Outlet desencadear a manifestação desse vírus como: exposição à luz solar, estresse e resfriado. Uma vez com a herpes, é fundamental que o paciente evite manipular a região (como coçar, por exemplo). Existem cremes e pomadas especialmente para esse tipo de problema. O dentista pode prescrevê-los.

Aftas

Esse item precisa de um cuidado especial. As ulcerações aftosas não têm causa definida, mas alguns fatores podem desencadear o seu aparecimento como alimentos ácidos e estresse. Se esse for o caso, deve-se identificar o alimento que está causando o problema e evitá-lo. A higienização bucal não deve ser interrompida nem aliviada.

Porém, as pessoas têm o costume de achar que qualquer alteração na mucosa da boca é afta, quando não é bem assim. Por exemplo, úlceras que não se resolvem em duas semanas devem ser examinadas por um profissional. As lesões de câncer bucal podem ter início como uma pequena úlcera indolor.

Assadura e rachaduras

A exposição prolongada ao sol e ao frio pode causar essas rachaduras e assaduras. Para evitá-las, o paciente deve manter a região hidratada (ex: usar manteiga de cacau). Pessoas que passam muito tempo expostas ao sol e possuem uma pele bem branca devem usar protetor solar labial.

Fonte: Saúde Terra

Espiritualidade: Fundamental para a sua saúde!

A espiritualidade é umas das formas mais importantes para enfrentar problemas de saúde, inclusive os bucais, revelou um estudo do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina da USP. Segundo a pesquisa, embora o efeito seja coadjuvante, sua prática é fundamental, pois reduz a intensidade de dor, aumenta a motivação para tratamentos e reduz sintomas depressivos.

“Orações e meditações são capazes de alterar a produção e liberação de neurotransmissores no cérebro (ex: serotonina, encefalinas), que promovem a sensação de bem-estar e diminuem a dor, melhoram a resposta imunológica do organismo e reduzem a produção de hormônios relacionados ao estresse (ex: cortisol), o que acaba refletindo na saúde de uma forma geral”, diz Silvia Siqueira, professora associada da USP e orientadora do estudo.

No caso de pacientes com disfunção na articulação da mandíbula (ATM) e dor cervical, a presença da espiritualidade também mostrou resultados significativos. “Foi observado que os pacientes mais espiritualizados tinham menos dor à palpitação dos músculos, menos bruxismo, menos queixas de falta de energia e menor quantidade de doenças crônicas”, disse a especialista.

Efeito preventivo
Segundo a orientadora, a espiritualidade tem um papel tão importante na vida do ser humano, que pode se apresentar até como prática preventiva. Como melhora a resposta imunológica, o corpo fica mais protegido contra infecções, por exemplo. E sendo o estresse um fator importante na incidência de diversas doenças, como as cardíacas, por exemplo, a redução do cortisol também é importante como prevenção.

Outros benefícios
O estudo mostrou ainda que a espiritualidade é capaz de reduzir a pressão arterial, a frequência cardíaca e a glicemia. Foi também observada melhora da atividade de memória do cérebro, aumento da autoestima, melhora do sono e ativação de diversas áreas cerebrais. “Ainda percebemos que pacientes terminais podem ter sua sobrevida estendida e sua qualidade de vida melhorada com a espiritualidade”, disse Sílvia.

Vitaminas essencial para gestantes

É muito comum as gestantes saírem da primeira consulta do pré-natal com uma lista de suplementos para garantir uma gravidez saudável e o desenvolvimento perfeito do bebê. Mas será que tudo isso é mesmo necessário. Os especialistas afirmam que não. Indispensável, mesmo, somente o ácido fólico. O ferro é prescrito com frequência porque maioria das pessoas tem carência desse mineral, mas uma alimentação balanceada pode assegurar as outras vitaminas.

A importância do ácido fólico, explica o nutrólogo Roberto Navarro, é porque ele pode reduzir pode reduzir em até 75% os casos de má-formação do tubo neural do feto, como mielomeningocele e espinha bífida. Por isso, o Conselho Federal de Medicina recomenda que os médicos receitem no primeiro trimestre da gestação. Nesse caso, a alimentação não supre.

Apesar de a farinha de trigo branca ser, por lei, enriquecida com ácido fólico – o que trouxe melhora, de modo geral, nos casos de má-formação e também na redução da anemia na população – o suplemento não está presente nas quantidades adequadas para as gestantes. Além disso, o ácido fólico aquecido é menos absorvido no organismo e tudo o que se faz com a farinha de trigo é normalmente assado.

Para trazer benefícios para uma gestação, é preciso ingerir 400 mg de ácido fólico por dia, que pode ser adquirido no comprimido diário. O mais indicado é que a mulher comece a tomar os suplementos de ácido fólico de dois a três meses antes de engravidar e siga até a amamentação. “Apesar do benefício contra a má-formação vir apenas no primeiro trimestre, sugere-se que continuar tomando até o final da gravidez possa trazer benefícios não relacionados ao tubo neural”, explica o ginecologista Rafael Davi Botelho, do HCor.
O médico afirma que, no caso das outras vitaminas, as mulheres que se alimentam bem podem dispensá-las “Na ausência de uma avaliação cuidadosa por um nutricionista, é prudente, no entanto, recomendá-los”, ressalva.

Para a mulher que for tomar suplementos polivitamínicos na gravidez, sempre recomendado por um médico, o ginecologista Cláudio Severino, do Hospital Samaritano dá a dica: a vitamina deve ser ingerida 15 minutos antes do almoço ou jantar, uma vez ao dia. “A recomendação é porque está perto da refeição, o estômago está mais ácido”, diz. Além disso, tomar a vitamina com sucos ácidos, como o de laranja ou limão, aumenta a absorção dos nutrientes.

Veja abaixo onde encontrar as vitaminas necessárias e quando a suplementação é importante:

Ferro: recomendado para gestantes a partir do segundo trimestre da gestação, quando a mãe precisa produzir mais hemácias e o feto também. Se a mãe estiver anêmica antes do segundo trimestre, o ferro é recomendado antes. De praxe, é estendido até a amamentação.
Para o ginecologista Cássio Sartorio, do Vida, Centro de Fertilidade da Rede D’Or, se a mãe tiver uma alimentação adequada com ferro de origem animal (que tem alta absorção) e o exame de sangue mostrar que os níveis estão dentro do padrão, ela não precisa de suplementação. “O problema é que a maioria tem carência de ferro na gravidez”, explica Sartorio. O acompanhamento médico para quem optar por não tomar suplemento deve ser rígido.

Ômega 3: Navarro conta que alguns estudos mostraram que a mãe que tem uma dieta mais rica em ômega-3 resulta em um bebê com quociente de inteligência maior no primeiro ano de vida, bem como diminui a chance de parto prematuro e bebê de baixo peso. Essa substância é principalmente encontrada na gordura do peixe (DHA e EPA), que são fundamentais para o desenvolvimento do feto.

Se a mãe come peixe diariamente ou três vezes na semana (atum, sardinha, salmão ou truta), não é preciso suplementar. Caso contrário, uma cápsula ao dia durante toda a gestação supre a necessidade. Mas atenção, apesar da venda livre, a grávida só deve tomar suplemento se for orientação médica. “Em doses muito altas, o ômega-3 altera a coagulação do sangue e pode dar hemorragia no parto”, alerta o nutrólogo, lembrando que as grávidas devem passar longe de peixe cru.

Vitamina A: a grávida precisa de 10% a mais de vitamina A do que se não estivesse gerando um bebê. Nos suplementos direcionados para gestantes, essa vitamina já está dosada. “Se ela optar pela alimentação, três cenouras a mais por dia, por exemplo, é suficiente para suprir essa necessidade”, explica Navarro.

Se for por meio de suplementos, é preciso tomar estritamente a quantidade receitada pelo médico, porque a dose alta de vitamina A aumenta as chances de má-formação fetal. “Pela alimentação é muito difícil ter excesso de vitamina”, explica.

Vitamina C: quando há um bebê na barriga, o aporte de vitamina C deve ser de 13% a mais, ou uma laranja a mais por dia, além da quantidade comum que já se consumia da vitamina, explica o nutrólogo.

Vitaminas do complexo B (B1, B2, B3, B6): uma grávida precisa de 30% a mais dessas vitaminas, que estão presentes normalmente nas carnes. “Cem gramas a mais de carnes magras já supre essa necessidade”, conta o nutrólogo. Há, também nos vegetais, mas aí a quantidade deveria ser maior – um prato a mais, com todas as cores de vegetais (vermelho, verde, laranja), ou uma colher de chá de levedo de cerveja por dia. No caso da vitamina B12, a mulher precisa de 8% a mais.

Zinco: para estar dentro dos padrões, uma futura mamãe precisa de 38% a mais de zinco do que quem não está grávida. Esse mineral está presente onde tem proteína, seja vegetal ou animal. Se a mulher já come 100 gramas a mais de carne por dia por conta do complexo B, ela já consegue a quantidade de zinco necessária. Para quem não gosta da carne, há zinco no feijão, grão-de-bico, soja, e basta uma concha a mais no prato.

Iodo: suprir 47% de iodo pode não ser uma tarefa simples, já que a maior parte está presente no sal e nas algas marinhas, dois alimentos que as grávidas devem passar longe, uma vez que sal em excesso aumenta a pressão arterial e as algas marinhas podem estar contaminadas, causando sérios danos à saúde. O jeito, então, é ficar com as castanhas, nozes e amêndoas. Uma castanha a mais por dia já impede que a grávida tenha carência de iodo.

Selênio: para uma boa gravidez, é preciso ter mais 9% de selênio, que pode ser encontrado em uma castanha-do-pará a mais por dia.

Fonte: Saúde Ig

Osteoporose pode fazer os dentes caírem depois dos 40 anos

A osteoporose é uma doença que se caracteriza pela perda de massa óssea, que acaba por deixar os ossos extremamente frágeis, facilitando as fraturas. Essa doença atinge mais mulheres a partir dos 40 anos, quando há a queda do hormônio estrogênio por conta da menopausa.

Ocorre que é comum que a osteoporose acabe prejudicando a saúde bucal. “A gengiva pode ser afetada, pois ela reveste o osso ao redor dos dentes que está se tornando cada vez mais frágil”, explicou o periodontista Mario Eduardo Lopes.

Porém, o especialista explica que o caminho pode ser inverso. Quando o paciente tem uma doença periodontal (inflamação na gengiva) há um processo inflamatório instalado no organismo. Essa inflamação, por sua vez, libera substâncias que causam a osteopenia, que se caracteriza, entre outras coisas, pela diminuição da massa óssea ao redor do dente. Para entender melhor, a osteopenia é um alerta indicando a diminuição desta massa óssea que pode levar ao desenvolvimento de osteoporose.

“Quando um paciente chega ao meu consultório dizendo que está com os dentes moles e culpa a osteoporose por isso, logo explico que ele pode estar errado. Após algumas analises, constatamos que os dentes moles estão sendo causados, na maioria das vezes, por uma periodontite avançada”, diz Lopes.

Ou seja, “a osteoporose pode agravar uma doença periodontal, mas nunca ser a causadora direta da queda dos dentes”, afirma o especialista que ressalta, ainda, a importância de o paciente informar ao dentista que tem osteoporose.

Uma forma de prevenir a doença é optar por uma vida saudável com alimentação balanceada (rica em cálcio), controle de peso, exposição ao sol e a prática de exercícios físicos. Já para prevenir a periodontite é fundamental que se tenha uma higiene bucal impecável com o uso de fio dental e limpadores de língua.

Fonte: Saúde Terra

Brincar de escovar os dentes é jeito de incentivar seu pequeno(a)

Escovar os dentes é uma necessidade de saúde e deve ser introduzida na vida das crianças desde muito cedo. O problema é que, por ser uma obrigação diária, muitas vezes acaba virando uma “chatice” na visão dos pequeninos. Nessa hora, é importante que os pais saibam como introduzir o hábito de maneira leve e divertida para os pequenos pegarem gosto pela coisa.

A maioria das crianças que não gosta de escovar os dentes teve esse ritual imposto e obrigado pelos pais de forma errada. “Quando muito pequenas, elas não têm a compreensão da importância da escovação. Então temos que tornar essa obrigação em algo encantador na visão deles, nos preocupando com o que utilizamos e como os ensinamos”, diz Marcela Baptista Encinas, odontopediatra da Sorridents.

Segundo a especialista, para evitar qualquer tipo de antipatia com a escovação, a escova e creme dentais são muito importantes. “Os pais devem ficar atento com a indicação da escova correta, com relação ao tamanho e ao tipo de pasta de dente para que a criança não se machuque ou tenha ânsia por conta do sabor. Isso pode criar uma barreira para a escovação”.

Escovar os dentes brincado
Tornar a escovação um momento de diversão e interação entre pais e filhos é a chave para o sucesso da aprendizagem. Quanto mais criativas forem as abordagens, sem deixar de lado o processo correto, mais fácil e prazeroso será essa obrigação.

A companhia e a supervisão dos pais são fundamentais até os sete anos. “Depois disso, entende-se que a criança já tem coordenação para escovar os dentes sozinha e capacidade de entendimento da sua importância”, diz Marcela.

A especialista dá algumas dicas de como fazer dessa obrigação de escovar os dentes, algo divertido.

– Comece com uma abordagem diferente. Em vez de: “é hora de escovar os dentes”, tente: “vamos brincar juntos de escovar os dentes?”.

– Cante músicas. Podem ser já famosas (existem muitos desenhos animados que trabalham com a dinâmica da escovação) ou criadas por você especialmente para o momento.

– Faça caretas e vozes divertidas que costumam arrancar sorrisos do seu filho.

– Cada vez que ele fizer algum movimento certo, o elogie.

– Tente brincadeiras como “O mestre mandou”. Primeiro faça você os movimentos corretos da escoação para que ele te imite. Não se esqueça do fio dental. Depois peça para que ele seja o mestre, para ver se ele realmente aprendeu.

– Ensine de forma didática e fantasiosa a importância da escovação. Exemplo: explique que quando comemos os restos de comida ficam presos nos dentes deixando a boca suja e nós precisamos salvar os dentes de tanta imundice. Por isso é fundamental que a super escova entre em ação fazendo uma varredura contra o mal.

Comer castanha todos os dias reduz doenças cardíacas em 30%

Uma pesquisa realizada por cientistas americanos e chineses concluiu que comer uma porção Parajumpers Jacka Kodiak de castanhas – amendoim, castanha de caju, nozes – por dia reduz em 30% os riscos de doenças cardíacas. As informações são do site inglês Daily Mail.

Além disso, uma quantidade diária reduz em 11% os riscos de ser diagnosticado com câncer e em 17% o número de mortes causadas por outras doenças.

Estes efeitos positivos ocorrem porque as castanhas são ricas fontes de gordura não-saturada, vitaminas, minerais e outros nutrientes, que trabalham juntos para reduzir colesterol e evitar inflamações no corpo.

O levantamento feito em parceria entre as universidades de Harvard e Zhong University of Science and Technology e reuniu informações de 18 estudos que contemplou informações de 12 mil pessoas. O efeito positivo das castanhas não foi notado na redução dos índices de diabetes e derrame.

Fonte: Saúde Terra

10 dicas para tornar o mundo um lugar melhor

Pequenas ações podem fazer toda a diferença para conseguirmos um mundo melhor e mais sustentável. Afinal, a mudança começa por nós mesmos, com o que está perto de você.

1. Plante, pelo menos, uma árvore

Talvez você já tenha feito isso uma ou dezenas de vezes, mas nunca é demais. O plantio pode ser feito em uma área que precisa ser recuperada ou em seu próprio quintal. Uma ideia interessante é plantar uma árvore frutífera. Além de ter um alimento fresco ao seu alcance, você também atrairá muitos pássaros, e ouvir o canto das aves sempre faz bem.

2. Cuide do seu próprio lixo

Dê a destinação adequada para os resíduos que você produzir. Mesmo que não exista um sistema público de coleta seletiva na sua região, separe seu lixo e leve os recicláveis a uma cooperativa ou centro de coleta. A parte orgânica pode ser transformada em adubo para ajudar a sua árvore ou horta a crescerem com mais saúde. Você pode fazer isso até mesmo dentro de sua própria casa com uma composteira simples, veja aqui o passo a passo.

3. Evite o desperdício

Um dos grandes males do mundo é o desperdício. Em termos de alimento, aproximadamente 1/3 de tudo o que é produzido vai parar no lixo. Mas, para ter um mundo melhor, também é importante atentar ao desperdício de dinheiro, por exemplo. Planeje os seus gastos, isso evitará problemas nas finanças pessoais e, por mais incrível que pareça, também impactará a economia nacional.

4. Pense e repense antes de comprar

O padrão de consumo imposto, principalmente pela mídia, diz que as pessoas definidas por seus bens. No entanto, essa cultura de comprar desenfreadamente é o jeito mais fácil de destruir o meio ambiente. Para fabricar uma calça jeans são necessários até 15 mil litros de água, fora outras matérias-primas. Tudo o que compramos reflete em algum tipo de impacto ambiental, portanto, compre o necessário.

5. Cuide das pessoas e dos animais

Faça o bem a quem está próximo de você, independente de quem seja. As boas ações são contagiosas. Imagine como o mundo seria melhor com todas as pessoas trocando gentilezas? Cuide também dos animais. Se está ao seu alcance tomar conta de um animal doméstico, faça isso com carinho. Se você pode ajudar a preservar uma área ou apoiar causas de defesa dos animais, faça também. O mais importante de tudo é a intenção e a vontade de “fazer o bem, sem olhar a quem”.

6. Vote consciente, acompanhe e cobre ações dos candidatos

Essa é uma das dicas mais importantes. A democracia permite que a população eleja seus representantes. Aproveite esta oportunidade para escolher candidatos que tenham valores respeitáveis e projetos que sejam usados realmente em benefícios da sociedade. Após as eleições, acompanhe o que está sendo feito e cobre se for necessário. Isso vale para todos os cargos políticos.

7. Economize água e energia

Atende ao consumo desses bens na sua casa. Sempre existe um cuidado extra que pode ser feito para diminuir o consumo. Algumas sugestões são: apague sempre as luzes de ambientes vazios, diminua o tempo no banho, escolha eletrodomésticos e lâmpadas eficientes, evite o uso de ar-condicionado, lave e passe toda a roupa de uma só vez.

8. Cuide do local onde você mora

Existe uma praça no seu bairro? Ajude a preservá-la. Participe dos grupos comunitários da sua região para entender como é possível melhorá-la e como você pode fazer parte destas mudanças. Além de tornar o bairro mais agradável de se viver e permitir novas amizades, isso pode valorizar ainda mais o seu próprio imóvel.

9. Use os meios de transporte de maneira consciente

Dê preferência ao transporte coletivo ou alternativos, como a bicicleta. Se isso não for possível, opte pela carona. Veja se entre seus vizinhos existe alguém que trabalhe perto do você ou em algum local no meio de seu trajeto. Essas sugestões ajudam a reduzir as emissões de gases de efeito estufa em consequência do transporte e ainda diminuem os gastos no fim do mês.

10. Passe adiante

Se você já tem feito todas essas coisas, passe as ideias adiante. Ensine as novas gerações a terem esses mesmos valores e acima de tudo: dê o exemplo. “Seja a mudança que você quer ver no mundo”, como já dizia Mahatma Gandhi.

Fonte: Ciclo Vivo

Doces destroem esmalte dos dentes e levam à deterioração

Guloseimas com alto teor de açúcar estão cada vez mais presente nas dietas dos britânicos. segundo pesquisa realizada pela Dental Health Foundation, mais de cinco milhões de pessoas sucumbem à tentação dos doces no país. O estudo, feito em parceria com a empresa do Listerine, mostrou que o hábito pode prejudicar os dentes. As informações são do Female First.

“A maioria dos adultos e crianças no Reino Unido ingere muito açúcar, seja em lanches ou refrigerantes. Enquanto muitos de nós estamos conscientes de que doces podem ser apreciados com moderação, vale à pena notar que o açúcar pode esconder-se em alimentos que nem imaginamos”, disse a nutricionista Amanda Hamilton.

Uma porção de 15 ml de catchup possui o equivalente a uma colher de chá de açúcar, uma lata (415 g) de feijões cozidos tem duas colheres de chá de açúcar, 30 g cereais com 125 ml de leite tem duas colheres de chá de açúcar, e uma porção de 300 g de sopa de tomate contem quatro colheres.

O chefe-executivo da Dental Health Foundation, Nigel Carter, afirmou que quando a pessoa ingere produtos ricos em amido ou açúcar, não está apenas se alimentando, mas também dando combustível para as placas bacterianas na boca.

“A placa é uma película fina e invisível de bactérias pegajosas e outros minerais que cobre toda a superfície dos seus dentes. Quando os açúcares em sua boca entram em contato com a placa, os ácidos resultantes podem estragar os dentes se ficam 20 minutos a mais após o término da refeição. A situação, se repetida muitas vezes, agride o esmalte duro dos dentes e leva à deterioração”, disse Carter.

Dieta rica em proteínas é segredo para boa forma, diz estudo

Em vez de contar calorias, as pessoas que desejam permanecer em forma devem ter uma dieta rica em proteínas, com peixes, ovos e carnes, de acordo com um novo estudo feito pela Universidade de Sydney. A ingestão baixa de proteína faz com que o corpo compense em alimentos ricos em gordura e carboidratos para atingir o nível de proteína necessário. As informações são do Daily Mail.

Ao longo dos últimos 60 anos, a proporção de proteína em dietas ocidentais caiu, e os pesquisadores sugerem que isso poderia ser responsável pelos crescentes níveis de obesidade. “Podemos usar essas informações para ajudar a gerenciar e prevenir a obesidade, garantindo que as dietas tenham a quantidade ideal de proteína para satisfazer o apetite”, disse o professor David Raubenheimer, da Universidade de Sydney.

Raubenheimer deve apresentar os resultados nesta sexta-feira (4), na Reunião Anual da Sociedade de Biologia Experimental, em Manchester, e disse que eles podem explicar o motivo para dietas ricas em proteínas, como a de Atkins, ajudarem pessoas a perder peso.

“Dietas ricas em proteínas podem nos ajudar a perder peso, mas se envolvem outros desequilíbrios, causam problemas de saúde”, alertou o professor. A proteína é essencial para o crescimento saudável e reparação de tecidos do corpo, como os músculos, incluindo o coração, órgãos internos e pele.

A equipe do professor Raubenheimer estudou babuínos que viviam à beira dos assentamentos humanos, e descobriu que, apesar de os animais comerem diferentes combinações de alimentos, todos os dias, 20% das suas necessidades de energia eram provenientes da proteína.

Outros estudos descobriram que macacos-aranha e orangotangos também tinham dieta equilibrada. Mas quando a disponibilidade sazonal de alguns alimentos impediu-os de manter o cardápio, priorizaram a quantidade certa de proteína, mesmo que isso significasse comer demais ou de menos gorduras e carboidratos.

Os pesquisadores concluíram que a medição do conteúdo nutricional de um alimento por sua contagem de calorias foi muito simplista, e que, em geral, alcançar o equilíbrio nutricional correto de proteínas, carboidratos e gorduras era mais importante.