Biblioteca ambulante leva educação para além das escolas na Itália

La Cava era apenas um professor italiano já aposentado até que um dia resolveu compartilhar o seu amor pela leitura com outras pessoas. Foi assim que surgiu o Bibliomotocarro, uma biblioteca ambulante que leva, gratuitamente, livros às comunidades de pequenas cidades italianas.

A ideia começou a tomar forma entre 1999 e 2000. Conforme explicado no site do projeto, o intuito era chamar a atenção dos jovens à importância dos livros, que já estavam sendo trocados por novos meios de comunicação. Para colocar em prática, La Cava precisou de livros, um triciclo (que mais parece um mini caminhão) e da ambição de levar a leitura e a educação além das paredes das escolas.

Em um primeiro momento, a vontade de satisfazer exatamente o desejo dos leitores levou o professor a instalar pequenas caixas de correspondência nas escolas, para que as pessoas pudessem fazer seus pedidos e ter os livros entregues em suas residências. O formato era excelente para incentivar a leitura, mas acabou se tornando muito caro para ser bancado por um simples professor aposentado. Os compromissos foram honrados, mas a biblioteca ambulante precisou fechar por um tempo.

A volta por cima aconteceu em 2003, quando La Cava levou o Bibliomotocarro à Feira Internacional do Livro de Turim. O projeto fez tanto sucesso que ganhou espaço nos noticiários italianos e abriu as portas para que a iniciativa fosse mais divulgada na mídia. Assim sendo, dois anos depois, o professor ganhou o 1º Prêmio Nacional de Melhor Projeto de Promoção do Livro e da Leitura, oferecido pelo Ministério da Cultura na Itália. A recompensa foi o apoio financeiro de 5.700 euros, que ajudaram a reconstruir o Bibliomotocarro no formato que ele possui hoje.

O “caminhãozinho” possui o formato de uma casa de campo, com chaminé, telhas e grandes janelas. Segundo o criador, seria possível usar um grande caminhão no projeto, mas isso colocaria as pessoas, principalmente crianças, distantes dos livros. No modelo atual, as prateleiras ficam praticamente ao alcance de todos, pelas 49 escolas que são atualmente abrangidas pelo projeto.

Para deixar tudo ainda mais legal, o mestre La Cava achou que levar histórias não seria o bastante. Era preciso permitir que as pessoas também contassem suas histórias. “Comprei, então, 200 livros em branco e os coloquei à disposição”, explica o professor na página do projeto. Segundo ele, esses livros estão em alta demanda e já foram escritos até mesmo por crianças de outros países. Essa história de amor à leitura foi transformada em documentário e ganhou as telas de um dos principais canais de televisão da Itália.

Fonte: Ciclo Vivo

Ajudando pessoas com deficiência motora a tratar da higiene bucal

É importantíssimo ajudar pessoas com deficiência motora a tratar da higiene bucal. É recomendável que se utilize escovas dentais que facilitam a empunhadura daquele que realiza a higiene. A prática direta ou guiada de uma higiene bucal qualificada dá conforto e bem-estar a esse público, melhora a autoestima e facilita o relacionamento interpessoal a que são submetidos. Uso de um irrigador oral poderá ajudar, e muito.

Aparelhos falsos

Usar aparelhos ortodônticos sem recomendação de um especialista pode causar danos sérios aos dentes. O Fantástico mostrou neste domingo, 23, que muitos jovens de várias partes do brasil estão usando aparelho mesmo sem necessidade e tem gente que chega a comprar o material no camelô.

Na Internet, os “famosinhos” exibem, com orgulho, os dentes cheios de estilo. “A gente troca lá em casa. Ficamos lá no quintal e trocamos do David, do Guilherme”, conta Igor Melo. “Eu uso aparelho faz cinco anos já. Cinco anos de enfeite”, disse um jovem em entrevista ao Fantástico.

A Sociedade Paulista de Ortodontia alerta sobre o risco dessa “moda”. “Ao querer ficar na moda, existe o risco de danos irreversíveis à saúde bucal, como perda óssea, os dentes começam a ficar moles e pode até haver perda desses dentes”, alerta Cláudio Miyake. presidente do conselho Regional de Odontologia de SP.

Os camelôs já estão de olho nessa moda e aproveitam. No Centro de São Paulo e em várias cidades do Brasil, os acessórios que caíram no gosto da garotada estão nas ruas. Esta semana houve várias prisões e também apreensões do material, que pode causar danos sérios aos dentes.

Máquina transporta árvores pela raiz para evitar desmatamento

Uma empresa australiana criou um equipamento que promete salvar milhares de árvores. Com ele é possível remover uma árvore para plantá-la em outra região. A opção pode ser muito útil nas construções de prédios e estradas, por exemplo, que têm o desmatamento como etapa indissociável do negócio.

A ideia é simples. Basta levar o caminhão até a árvore, com um equipamento especial que cava em volta dela sem danificar as raízes. Depois o veículo se desloca transportando a árvore para o novo lugar e plantando-a novamente.

A empresa Vicroads, que desenvolveu a máquina, teve a inspiração durante as obras entre duas estradas em Berwick, nos arredores de Melbourne, que implicaria num desmatamento indesejado. O trabalho foi feito como parte das obras na estrada entre Clyde High Street e Kangan Drive, na Austrália.

Assista como funciona:

Fonte –

Placa Bacteriana

e f=””>

A placa bacteriana pode ser evitada com uma higiene bucal que inclui escovas de boa performance, além de boa e frequente escovação, com movimentos corretos da gengiva para o dente em todas as faces dos dentes. O fio dental ou escovas interdentais também ajudam muito na prevenção, e procure sempre não exagerar no consumo do açúcar. Sorria.

Passar muito tempo sentado pode causar incapacidade física após os 60 anos

Se você tem 60 anos ou mais, deve ficar ainda mais atento ao sedentarismo. Cada hora consecutiva que você passa sentado pode dobrar o risco de desenvolver algum tipo de dependência física, independentemente da quantidade de exercício que você já tenha feito durante o dia, relata um novo estudo do Northwestern Medicine.

A pesquisa é a primeira a mostrar que o comportamento sedentário sozinho já é um fator de risco para a incapacidade física. Em uma situação hipotética: se houver duas mulheres de 65 anos de idade, uma delas sedentária por 12 horas consecutivas por dia e outra sedentária durante 13 horas por dia, também consecutivas, a segunda é 50% mais propensa a desabilitar-se fisicamente, segundo o estudo.

— Conseguimos mostrar que o comportamento sedentário está ligado ao aumento da probabilidade de desenvolver deficiência, independentemente da quantidade de atividade física que você faça. Ser sedentário não é apenas sinônimo de atividade física inadequada— explica a professora Dorothy Dunlop.

A deficiência física é definida por limitações na capacidade de fazer ações básicas como comer, vestir-se, tomar banho, levantar-se da cama e caminhar em uma sala. A incapacidade física aumenta o risco de hospitalização e é uma das principais fontes de custos de cui dado s com a saúde.

— Os adultos mais velhos precisam reduzir a quantidade de tempo que passam sentados, seja em frente à TV ou no computador, mesmo que façam exercícios moderados ou vigorosos— diz a professora.

O estudo analisou uma amostra de 2.286 adultos com 60 anos ou mais. O método comparou pessoas em situações de saúde similares e com a mesma quantidade de atividade física realizada. Os participantes usavam acelerômetros para medir o seu tempo de sedentarismo e atividade física. Quanto mais velhas e mais pesadas as pessoas são, mais elas tendem a superestimar os seus exercícios.

Como a investigação examina os números em um dado período de tempo, ela não determina definitivamente que o comportamento sedentário provoca deficiência, mas chama a atenção para o fato de que este é um problema em potencial.

Para reduzir o tempo sentado, a Dorothy faz as seguintes sugestões:

1. Levante-se quando você fala ao telefone ou durante uma reunião de trabalho

2. Quando você vai ao supermercado ou shopping, estacione em um local um pouco mais distante

3. Quando você se levanta para pegar um copo de água, ande pela casa ou escritório

4. Entre pequenas distâncias, caminhe em vez de pegar o carro

5. Use as escadas em vez do elevador, se você é capaz

Fonte: Zero Hora

Consumir iogurte pode ajudar a reduzir o risco de diabetes tipo 2, diz estudo

Um estudo desenvolvido na Universidade de Cambridge, no Reino Unido, trouxe uma boa notícia para os amantes do iogurte: um pote de 125g do alimento a cada dois dias pode reduzir em 28% os riscos de desenvolver diabetes tipo 2. Ainda segundo a pesquisa, o alto consumo de laticínios com pouca gordura como queijo fresco e cottage também protege contra a doença.

Os pesquisadores compilaram dados de toda a alimentação diária durante uma semana de mais de quatro mil participantes, incluindo 753 que tinham desenvolvido diabetes tipo 2, ao longo de 11 anos. Aqueles com alto consumo de produtos fermentados com pouca gordura tiveram 24% menos probabilidade de se tornar diabéticos.

Examinando o iogurte separadamente, uma redução de 28% do risco de diabetes tipo 2 foi associada, com a maioria dos benefícios encontrados com o consumo de quatro potes e meio de iogurte por semana.

— Em tempos em que temos muitas evidências de que o consumo de grandes quantidades de determinados alimentos fazem mal à saúde, como açúcar e bebidas artificialmente adoçadas, é reconfortante saber que outros alimentos podem fazer bem — disse Nita Forouhi, do Conselho de Pesquisa Médica e Epidemiologia.

O estudo foi publicado na revista “Diabetologia” e não encontrou a causa da relação do consumo de iogurte e o baixo risco de diabetes. Isso significa que as pessoas com este hábito alimentar podem, também, ter um estilo de vida saudável, o que contribuiria para a redução no risco.

Mas os pesquisadores dizem que é possível que os probióticos e uma forma especial de vitamina K dos iogurtes, associados à fermentação dos laticínios, fornece proteção contra o diabetes. Laticínios, afinal, são uma fonte rica de proteína de alta qualidade, vitaminas e minerais.

O estudo afirma que iogurtes devem ter teor de gordura inferiores a 3,9%.

Fonte: Zero Hora

Saúde bucal das grávidas

A mulher Parajumpers Jacka Billigt pode desenvolver problemas bucais por causa da gravidez? Bom, as alterações fisiológicas que normalmente ocorrem durante a gravidez, por Golden Goose May Sneakers conta das alterações hormonais, podem desencadear alterações na saúde oral das grávidas sim, que na sua maioria regridem após o parto. Então, atenção triplicada nesse período para evitar maiores problemas.

ONU oferece bolsas para projetos de urbanização sustentável

A Onu Habitat lança a sexta edição do programa que ajuda a financiar projetos de desenvolvimento sustentável. Jovens, de 15 a 32 anos, podem inscrever suas propostas até o dia 15 de abril.

Onu habitat é um programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos. A organização possui o “Fundo Jovens Urbanos”, que dá subsídios para tirar do papel ideias inovadoras nas áreas de emprego, moradia, regularização de terras, entre outras ações.

De acordo com a , o maior objetivo da campanha é ajudar as organizações lideradas por jovens, que por sua vez devem criar planos para a urbanização sustentável nos países emergentes. A iniciativa também busca ressaltar a importância dos jovens nas políticas e estratégias de desenvolvimento.

A edição 2014 foi aberta no último sábado (15) e vai até o dia 15 de abril. O concurso está aberto a propostas de jovens de cidades ou vilas dos países em desenvolvimento através da internet,.

Fonte: Ciclo Vivo

Canal mal tratado pode levar à cirurgia endodôntica; entenda

O tratamento de canal é um procedimento corriqueiro nos consultórios dos dentistas, mas é preciso procurar um profissional capacitado para o problema não se tornar ainda pior.

A Endodontia é a especialidade odontológica responsável por tratar das doenças da polpa (“nervo do dente”) e dos tecidos que envolvem a ponta da raiz do dente. É este especialista que deve ser procurado quando um tratamento mais específico é necessário.

Segundo o cirurgião-dentista, Ricardo Martinelli, consultor científico do Instituto Pedro Martinelli Pró-Odontologia (IPM), o dente precisa de canal em três situações: cárie ou doença na gengiva graves com inflamação e morte da polpa; quando um dente receberá uma coroa e é indicado um tratamento preventivo e em casos de trauma.

Quando algo dá errado
No tratamento do canal da raiz do dente é preciso retirar a polpa que, uma vez danificada, infeccionada ou morta, precisa ser removida. Mas nem sempre dá certo, seja por complicações ou por erro do dentista. Essa é a hora que pode ser necessária uma cirurgia endodôntica.

“O insucesso do tratamento de canal ocorre basicamente por quatro motivos: profissional não capacitado, anatomia complexa, bactérias super resistentes e fratura da raiz”, diz Martinelli.

A cirurgia remove a ponta da raiz, cerca de 3 a 4 mm finais, que é onde ocorrem os maiores problemas e onde a anatomia é mais complexa. “Esse tipo de procedimento só deve ser indicado quando todas as possibilidades de tratamento convencional já foram esgotadas”, afirma.

Tem que tratar
Não tratar o canal de um dente com a polpa já comprometida pode levar a diversos problemas, o mais grave deles são os abscessos. “Casos mais graves de abscesso, dependendo do local onde ele se instala e da condição imunológica do paciente, pode levar até ao óbito, pela formação de um evento chamado ‘Angina de Ludwig’, ums infecção no assoalho da boca”.

É importante lembrar que o tratamento de canal é evitado com procedimentos simples de higiene oral, com o uso correto de escova e fio dental. “As visitas periódicas ao dentista também pode evitar um tratamento de canal, uma vez que o diagnóstico precoce de uma cárie é de suma importância”, diz Martinelli.

Fonte: Terra Saúde