Troca de escova de dente

A dica de hoje é sobre a troca da sua escova de dente.

Você As Roma Kits 2014/15 Parajumpers New Balance 572 Burn Rubber Denali Jacket Dam sabia que a sua escova de dente tem um período de vida útil? A sua própria escova te mostra a época certa de trocar de utensílio. Além de tudo, essa troca pode ajudar na Swansea Kits For Sale prevenção de novas gripes e resfriados.

Clique e saiba mais:

Quarto estágio

Hoje vamos falar da última etapa para ajudar às mamães ajudarem seus pequenos na hora da escovação. Essa última fase equivale à crianças acima de 8 anos.

Crianças a partir dos oito anos de idade usam pasta de dente e escova projetada para uma mistura complexa de tamanhos de dentes – permanentes e de leite.

As escovas mais indicadas para limpeza são com as cerdas massageadoras para os espaços sem dente e extremidade com cerdas mais alongadas para alcançar e limpar os dentes de trás.

Norte-americano cria bike aquática

As ciclovias da Califórnia já não supriam os desejos do norte-americano Judah Schiller. Ele queria ir mais além, pedalar sobre mar. Para tornar esse desejo possível, o ciclista desenvolveu um veículo que usa energia mecânica para funcionar na água.

Por meio do BayCycle Project, ele questiona: “Numa cidade que está literalmente cercada por água, por que não abrir uma nova fronteira?”. Para Schiller, a próxima evolução em ciclismo finalmente chegou.

mples. Trata-se de uma bike encaixada em duas balsas que utiliza a energia das pedaladas para movimentar uma hélice. Em apenas 10 minutos, segundo informa a Exame, o veículo está pronto parauso.

Terceiro estágio do seu bebê

Para todas as mamães, hoje vamos continuar com as nossas dicas de saúde bucal para o seu pequeno. Agora é a vez do terceiro estágio, que vai de 5 a 7 anos.

A partir dos 5 anos começam a nascer os dentes molares permanentes da criança e é importante o uso da escova e pasta de dente para uma boa higienização.

Toda criança merece um cuidado especial para com os seus dentes, e além de tudo os pais devem ensinar desde cedo como escovar corretamente, além de sempre ter uma orientação profissional.

Artista transforma caçambas em hortas, piscinas e pistas de skate

Com objetivo de chamar atenção das pessoas para o aproveitamento dos resíduos e dos espaços urbanos, o artista britânico Oliver Bishop-Young criou o projeto Skip Conversions, que transforma as caçambas de lixo espalhadas pela cidade em hortas, jardins, piscinas, pistas de skate e até mesmo em habitações improvisadas.

Seguindo a tendência cultural de aproveitar ao máximo os espaços urbanos, Bishop-Young colocou nas ruas britânicas o projeto, que tem por finalidade mudar a visão que a maior parte das pessoas criou sobre os depósitos de entulho. Em algumas das intervenções, foram utilizados materiais encontrados nas próprias caçambas, e os pedestres podiam interagir com o cenário: não só nas pistas de skate, mas também nas piscinas e até em uma mesa de pingue-pongue.

Uma das produções realizadas pelo projeto é uma “sala de estar”, construída no espaço da caçamba, com alguns móveis e até uma televisão que havia sido jogada no lixo. O artista também comentou sobre a importância do Skip Conversions. “As caçambas são arquivos fascinantes da nossa sociedade consumista. Elas capturam o momento no qual o desejo vira repulsa, quando objetos privados se tornam públicos”, afirma Young, que deu início ao projeto em 2008.

Dar vida nova a uma série de objetos que compõem o cenário urbano é a preocupação de diversas produções artísticas nos quatros cantos do mundo: em Barcelona, depois de uma lei proibir as intervenções artísticas nos equipamentos públicos, sacos de lixo se transformaram em divertidas obras de arte; Em São Paulo, a maioria destas manifestações artísticas incentiva a sustentabilidade: a mais recente intervenção é a criação dos parklets, vagas para automóveis transformadas em espaços de convivência para as pessoas.

Métodos de clareamento

Hoje vamos tirar algumas dúvidas sobre clareamento bucal.

Os métodos clareadores são realmente eficazes? É necessário ter acompanhamento médico para isso? Os produtos são seguros? Podem afetar a gengiva ou os dentes?

Para saber mais acesse:

Dica para o seu bebê – 2º estágio

Hoje vamos continuar a tratar da saúde bucal do seu pequeno, só que agora no segundo estágio que vai de 2 a 4 anos.

  • A partir dos dois anos a criança deve usar pasta de dente com flúor para evitar as cáries durante o desenvolvimento dos dentes.
  • A pasta Oral-B Estágios protege contra as cáries de modo eficaz com sua fórmula em gel suave e com diversos sabores que agradam as crianças.
  • Supervisione a escovação da criança até ela aprender a escovar corretamente. O recomendado é gastar dois minutos escovando os dentes, prestando bastante atenção naqueles que são os principais responsáveis pela mastigação e nos dentes de trás, que é onde as cáries começam a se formar. Sei que a limpeza dos dentes aborrece as crianças, então deixo aqui algumas idéias para tornar a tarefa um pouco mais divertida:
    • Use escova do tipo da Oral-B 2º Estágio, que é própria para a criança pequena que está aprendendo a escovar e cujos dentinhos estão ainda em crescimento. Seu desenho permite alcançar efetivamente todos os dentes, com sua cabeça estreita e cerdas de padrão simples e um grupo de cerdas mais compridas na extremidade (“Power Tip”).
    • Escove seus dentes ao mesmo tempo, para dar o exemplo. Assim seu filho vai aprender observando e imitando o que você faz.
    • Cante ou coloque para tocar uma musiquinha que ele goste durante os dois minutos de duração da escovação, ou então recite versinhos para distraí-lo.
    • Quando a criança já tem dois anos, os pais precisam começar a pensar muito no impacto dos hábitos de alimentação/nutrição não só sobre a saúde bucal e como sobre sua saúde de modo geral. Para criar bons hábitos, é preciso restringir o consumo de bebidas doces, incentivar o abandono da mamadeira e do copinho com bico e oferecer sempre à criança comida saudável, tanto nas refeições principais quanto nas intermediárias.

Sul-coreanos criam material eficiente que elimina poluição do ar

Um grupo de pesquisadores da Universidade Hanyang de Seul, na Coreia do Sul, criou um material capaz de absorver o dióxido de carbono e outros gases poluentes da atmosfera, de maneira eficiente e seletiva. Mediante ao uso do grafeno, uma das formas mais puras do carbono, os especialistas desenvolveram uma nova membrana, que permite a captação de diversos gases, separadamente.

O anúncio da criação do novo material foi realizado na última sexta-feira, pelo Ministério de Ciência da Coreia do Sul, que acredita que a nova técnica terá menores custos de uso do que as empregadas atualmente.

Durante as experiências, os cientistas alteraram o tamanho das moléculas utilizadas para capturar o dióxido de carbono – segundo informou a equipe, os polímeros usados nos dias de hoje conseguem evitar que o gás seja emitido na atmosfera e até controlar sua concentração, mas estes materiais ainda têm restrições para separar o CO2 de outros elementos mais difíceis de serem sintetizados – a exemplo do hidrogênio.

Em uma publicação sobre a nova alternativa de purificar o ar na revista norte-americana Science, os pesquisadores declararam que o método recém-criado tem como diferencial a difusão seletiva dos gases, devido ao tamanho das moléculas utilizadas no processo. Assim, o grupo afirmou que é possível controlar o fluxo de elementos durante a purificação do ar, por meio do empilhamento das camadas de grafeno.

Os responsáveis pelo novo mitigador de gases poluentes afirmaram que, em até três anos, a tecnologia chegará ao mercado. “Vamos realizar estudos e provas adicionais de eficiência para poder comercializar em breve esta tecnologia”, disse o responsável pelo centro sul-coreano de pesquisa e desenvolvimento para a captura de carbono, Park Sang-do, em declarações à agência “Yonhap”.

Cada estágio do seu filho

Hoje nós vamos tratar da saú de bucal do seu bebê. Cada post vai fazer referência a cada estágio da vida do seu pequeno. Vamos lá?

Vamos começar com o primeiro estágio do bebê, que é de 4 a 24 meses.

• Para evitar a formação de placa, que é uma massinha branca cheia de bactérias que se deposita nos dentes e provoca cárie, os pais devem começar a limpar regularmente a gengiva do bebê recém-nascido com um paninho úmido depois de todas as mamadas (no peito ou na mamadeira).
• Quando aparece o primeiro dentinho, os pais devem escová-lo durante dois minutos duas vezes ao dia com uma escova de dentes infantil de cerdas bem macias e cabeça emborrachada, e com uma quantidade mínima de pasta de dente sem flúor.
o A escova Oral-B 1º Estágio possui cerdas próprias para bebê e cabeça larga, para massagear a gengiva de forma bem suave.
• Os pais devem perguntar ao pediatra quando devem levar o filho ao dentista, mas a regra geral é: “Primeira consulta no primeiro aniversário.” Depois, a cada seis meses, para acompanhamento do desenvolvimento dos dentes.

Reaproveitando dinheiro

Imagina se todas as cédulas de dinheiro que não são aproveitadas virassem adubo? Pois bem, uma universidade de Belém, no Pará, ganhou apoio do Banco Central (BC) e pode ajudar as lavouras de agricultores familiares do Estado.

O sistema consiste em utilizar o papel para fertilizar e regenerar o solo da região, por meio de um composto produzido com palhas e restos de frutas e verduras. A medida é uma alternativa para as cédulas, que, anualmente, são retiradas de circulação.

Por seu aspecto social e ambiental, o projeto que dá uma destinação nobre às velhas cédulas tem grande destaque no BC. Além disso, é uma maneira do Banco se adequar à Política Nacional de Resíduos Sólidos, lei que, entre outras questões, exige a destinação final ambientalmente adequada dos rejeitos, ou seja, proíbe a instituição de jogar as notas em aterros sanitários.

A técnica mistura o papel picotado com restos de milho, feijão, cascas de limão e plantas. Entretanto, já está em estudo a composição com outros resíduos.

O processo foi desenvolvido pelo professor Carlos Costa, do Instituto Socioambiental e de Recursos Hídricos da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA). A pesquisa já recebeu R$ 100 mil para os custos com bolsas de iniciação científica e despesas com análises químicas, além de apoio da fundação de pesquisa e do governo do Pará.